<body>  

quarta-feira, maio 31, 2006

 

Email da Atlântico

ENTRELINHAS tem o prazer de convidar V. Ex.ª para assistir ao lançamento do livro «Crónicas de um peixe fora de água» , da autoria de Miguel Poiares Maduro, que terá lugar no Café dos Teatros, na Rua António Maria Cardoso, nº 38, em Lisboa (Chiado), no sábado, 3 de Junho de 2006, pelas 18h00.

A apresentação da obra estará a cargo da jornalista Maria de Lurdes do Vale .

Será seguida de um debate com o autor do livro sobre "O papel dos cronistas: peixes dentro ou fora de água?" , em que participarão Luciano Amaral, Pedro Lomba,
Pedro Mexia e Rui Tavares.

Se eu tivesse uma rádio ou uma televisão só para mim, transmitia o debate.

Paulo Pinto Mascarenhas | 23:01 | 6 comments

 

Sai Timor

Perante a falta de reacções emotivas que tem provocado nos portugueses o drama que se vive em Timor-Leste, ao contrário do que aconteceu no passado, se Luís Represas voltasse a dedicar-lhe uma canção, o título já não seria "Ai, Timor", mas "Sai, Timor". Sai da nossa vida. O que é injusto, mas não deixa também de ser compreensível.

Paulo Pinto Mascarenhas | 22:50 | 4 comments

 

A propósito de publicidade, esta é para alguém que escreve na revista Atlântico

Durante o próximo fim-de-semana, vai haver sessões de autógrafos de autores da Esfera dos Livros, no Stand 137 da Feira do Livro em Lisboa. Começa no dia 3 de Junho, às 17h30, com Não Esperes por mim para jantar de Ana Santa Clara, mas tem o seu ponto alto no dia 4, à mesma hora e no mesmo sítio com José Avillez, um Chef da nova geração, que acaba de publicar "Um Chef em sua casa", livro que recomendo para quem gosta de gastronomia. Esta publicidade acaba por ser em causa própria, porque o José Avillez é também colaborador da Revista Atlântico. E o livro é este:



Comprem, que vos vai saber bem.

Paulo Pinto Mascarenhas | 22:33 | 3 comments

 

Obrigado, Deus

Por manteres a casa activa e segura, como na publicidade.

Paulo Pinto Mascarenhas | 22:32 | 4 comments

 

sobre isso, só mais uma coisa

A verdade, verdadinha, é que voltámos todos a falar de Manuel Maria Carrilho.

RMD

RMD | 15:35 | 3 comments

 

Será em refinarias? E desta vez? Já fizeram os estudos de impacto ambiental?

Governo anuncia investimentos de 6 mil M€ na Energia
O ministro da Economia, Manuel Pinho, disse esta quarta-feira em Lisboa que o sector energético nacional vai receber investimentos e novos projectos privados avaliados em mais de seis mil milhões de euros.

in Diário Digital

RMD

PS: São milhões atrás de milhões aqueles que o governo anuncia desde que tomou posse. Milhões de euros em milhões de investimento em milhões de notícias. A acreditar no governo e nos jornais, a esta altura do campeonato, a nossa economia não só já inverteu o ciclo como deve estar a crescer acima dos milhões da média chinesa. Mais! Os milhões de buraco das contas públicas estão hoje resolvidos. Graças aos milhões de esforços na contenção de despesas e aos milhões de investimentos anunciados. E em Portugal, esse oásis, os milhões de desempregados devem ter milhões de propostas para trabalhar. Só que as propostas ainda não chegaram porque os CTT estão de greve. É isto, não é?

RMD | 13:45 | 4 comments

 

mau exemplo para outros benfiquistas

José Alexandre (Xanana) Gusmão - Líder da resistência timorense durante a ocupação indonésia. É casado com a australiana Kristy Sword. Actualmente, Xanana desempenha o cargo de primeira-dama timorense.
RMD

RMD | 12:51 | 3 comments

 

ouvi eu! com estes ouvidinhos que a terra há-de comer

- Pessoalmente, não gostaria de me pronunciar sobre essa matéria antes de ouvir a opinião de Rogério Alves.

RMD

RMD | 12:47 | 3 comments

 

um homem lê o correio da manhã e fica a perceber tudo

Ah! As traças! pois é, claro!
Estão explicadas as saias pequenas e os decotes grandes dos últimos dias.

RMD

RMD | 12:45 | 3 comments

 

O urgente nunca deixa tempo para o importante

A selecção ouve cantares alentejanos, despede-se de Évora, vai visitar instituições, é recebida pelos magriços, recebe o primeiro-ministro. Muita actividade. Muita coisa para fazer. Muitas festas, jantares e recepções.
Consta que no outro dia até treinaram futebol.

RMD

RMD | 12:25 | 3 comments

 

GNR preocupada com a inferioridade numérica

Ouvi pelas notícias que o primeiro-ministro, o ministro da defesa, o ministro da administração interna e o ministro dos negócios estrangeiros vão-se despedir dos soldados da GNR que partem para Timor. O primeiro-ministro e mais três ministros. Aposto que mais uns secretários de estado, e uns chefes de gabinete, e uns assessores. Todos pr´a fotografia. Com jeitinho estão lá mais membros do governo que soldados para ir embora.

RMD

RMD | 10:24 | 3 comments

 

Constantino no blogue [corrigido]

Constantino Xavier, correspondente da revista em Nova Deli, é a partir de hoje colaborador do Blogue Atlântico. Ele tem o seu próprio blogue individual, muito recomendável e já recomendado, que se chama "A Vida em Deli", mas vai estar por aqui sempre que assim entender.
Bem-vindo, Constantino.

Paulo Pinto Mascarenhas | 01:42 | 3 comments

 

Orientação e democracia

Segunda-feira à noite, em Portugal. Num canal, o primeiro, professores, engenheiros e doutores e senhores debatem o futuro do país perante uma plateia entediada e enclausurada numa sala abafada, e em directo para os lares desorientados e endividados. Noutro canal, o segundo, um documentário francês “Adeus Mao” foca os paradoxos, as contradições e os anacronismos que envolvem a emergência económica e política chinesa.

Num, discute-se se o TGV é ou não essencial. Noutro, a possibilidade de Mao e Deng terem, “no fundo”, defendido o capitalismo como mal menor no caminho para o comunismo. Num lança-se a interrogação “Por onde vai o país?”. Noutro tenta-se compreender porque é que o país vai para onde vai. Parece-me que falta aqui alguma coisa. Orientação de um lado. Democracia do outro.

Constantino Xavier | 01:18 | 3 comments

 

terça-feira, maio 30, 2006

 

Teoria da Conspiração (recebido por email)

Há várias pistas que nos levam a descobrir quem tramou Carrilho na corrida a Presidente da Câmara de Lisboa. Está tudo no livro "Sob o Signo da Verdade"... mas codificado em paralelo com o livro de Dan Brown "Código Da Vinci".

Se não acredita, verifique:

1ª Pista
O filho de Carrilho chama-se Dinis.
O Rei D. Dinis morreu com 46 anos.
Pág. 46 do Código Da Vinci:
Aparece a palavra "Portugal ".

2ª Pista
A palavra Carrilho tem 8 letras.
Avançamos 8 páginas.
Pág. 54 do Código Da Vinci:
Aparece "campanha da difamação".

3ª Pista
O livro de Carrilho tem 207 Páginas.
Pág. 207 do Código Da Vinci:
Aparece "Toda a gente adora uma conspiração".

4ª Pista
Clara Ferreira Alves foi muito criticada por Carrilho e aparece no livro de Carrilho na página 167.
Pág. 167 do Código Da Vinci:
Aparece "A preciosa verdade perdeu-se para sempre".

5ª Pista
Emídio Rangel é apoiante de Carrilho e aparece na página 78 do livro de
Carrilho.
Pág. 78 do Código Da Vinci - aparece o recado de Rangel para Carrilho:
"Professor, as consequências poderiam ser desastrosas para si."

6ª Pista
Quem tramou realmente Carrilho?
O filme de Carrilho na campanha tinha 13 minutos.
Somamos à página 78, os 13 minutos do filme e vamos para a página 91.
Pág. 91 do Código Da Vinci. Aparece: "P.S. - P.S. - P.S."

Como diz o outro... isto é mesmo verdade, não é só publicidade!

Paulo Pinto Mascarenhas | 11:22 | 7 comments

 

Gravidez psicológica

Desde que foi anunciado um novo aeroporto, o antigo passou a estar com problemas e "esgotado".

RMD

RMD | 10:26 | 4 comments

 

Ai Timor


Ramos-Horta deverá acumular a pasta da Defesa

Já se percebeu qual será o destino de Mari Alkatiri. Mais cedo ou mais tarde.



Paulo Pinto Mascarenhas | 10:10 | 4 comments

 

Roteiro Atlântico no Blogue [31 de Maio - 06 de Junho]

Lançamento

31 de Maio – Histórias de vida de médicos imigrantes, de Ricardo Falnei

O lançamento deste livro insere-seno Fórum Gulbenkian Imigração, que intregra o debate sobre Médicos Imigrantes moderado por Manuel Antunes

Local: Fundação Calouste Gulbenkian - Lisboa
Organização: Fundação Calouste Gulbenkian


Fórum Gulbenkian Imigração, Migração e Políticas de Desenvolvimento no quadro da CPLP


06 de Junho [09h30] – Rumo a Políticas Migratórias favoráveis ao Desenvolvimento: as contribuições das diásporas


[10h40] – Migração e desenvolvimento num contexto regional: O caso da CPLP


[14h30] – Migrantes para o desenvolvimento: o capital humano das diásporas e o papel da integração efectiva em Portugal como um recurso para o desenvolvimento nos países de origem


[16h15] – Migrações: informação, dados e formulação de políticas – o papel da informação nas abordagens políticas ao desenvolvimento nos países de origem e acolhimento


Com António Vitorino ; Brunson McKinley (Org. Internacional para as Migrações); Rui Vilar (Fundação Calouste Gulbenkian ); Rui Marques (ISCTE)

Local: Fundação Calouste Gulbenkian - Lisboa
Organização: Fundação Calouste Gulbenkian



Conferência

02 de Junho [14h00] - Plano Nacional de Defesa contra Incêndios Florestais
Com Francisco Castro Rego
(Direcção-Geral dos Recursos Florestais)

Local: Universidade de Trás-os-Monte e Alto Douro
[Auditório de Ciências Florestais] - Vila Real
Organização: Departamento Florestal


aL | 00:03 | 2 comments

 

Roteiro Atlântico no Blogue [notas]

A Imigração está em destaque no Roteiro Atlântico [na revista - nas bancas desde a passada 5ª feira]. Este tema será abordado no âmbito do Fórum Gulbenkian Imigração, da Fundação Calouste Gulbenkian. Para além da edição do livro de Ricardo Falnei «Histórias de vida de médicos imigrantes» o FGI leva a cabo um seminário sobre Imigração, Migração e Politicas de Desenvolvimento, no quadro da CPLP, no sentido da promoção de um conhecimento mais aprofundado das dinâmicas das relações entre os Países de Língua Portuguesa e as suas Diásporas, no quadro da CPLP, e o papel das emigrações no desenvolvimento quer dos seus países de origem.

A subida da temperatura média diária que temos assistido durante esta última semana, faz-nos relembrar que a "tal época de fogos" está prestes a começar. Em Vila Real [na UTAD], o Plano Nacional de Defesa Contra os Incêncios Florestais estará em debate no próximo dia 02 de Junho. Esta conferência contará com a presença do Director-Geral dos Recursos Florestais.


aL | 00:01 | 3 comments

 

segunda-feira, maio 29, 2006

 

Eli, Eli, lama sabactâni?

Ainda hoje esta mensagem representa uma reviravolta libertadora em relação a quase todas as religiões tradicionais.
No Domingo, Bento XVI, um papa alemão, rezou em Auschwitz. Quem «desdenhosamente, recusa ser pequeno e, inchado e arrogante, se vê grande» (esta tem dono), quem encara Deus como limite à nossa (sua) liberdade e assume uma estranha rebelião contra o Seu olhar omnipresente, tem, pelo menos, aprendido a duvidar com as palavras e o silêncio de Bento XVI. E a dúvida faz sempre um bom cristão.

Tiago Geraldo | 22:05 | 4 comments

 

Adivinha para o jantar

A quem se referirá Vital Moreira no seguinte texto do Causa Nossa?

"O fascismo nunca existiu"

A poucos dias dos 80 anos do 28 de Maio de 1926, de onde nasceu na ditadura salazarista, o revisionismo de direita aproveita para mais umas tentativas de branqueamento do Estado Novo. A receita tem sempre três ingredientes: (i) a demonização da I República, como reino da desordem, da violência e da "ditadura" do Partido Democrático - assim se justificando o golpe antidemocrático; (ii) o edulcoramento do carácter repressivo da ditadura -, assim se amnistiando os seus crimes; (iii) a relativização da diferença entre o Estado Novo e a actual República democrática -, assim se desvirtuando o 25 de Abril.
Fora os correligionários e os ignorantes, a quem é que estas falsificações históricas e políticas podem convencer?


O texto foi colocado no blogue Causa Nossa, um dia depois da publicação da Revista Atlântico, onde consta o ensaio assinado por Rui Ramos sobre o 28 de Maio, "O 25 de Abril de Salazar". O Prof. Vital bem que podia designar as fontes das suas inspirações, como qualquer académico de prestígio. O debate é sempre mais interessante do que os ataques e os insultos sem nome. Assim nem os ignorantes convence.

Paulo Pinto Mascarenhas | 19:22 | 10 comments

 

O monstro está vivo

42-16511200

Luciano Amaral
avisa neste último número da revista Atlântico que a Constituição Europeia está de volta, ressuscitada das cinzas como uma maldição. E ela aí está. Há na União quem queira reflectir sobre a morta-viva.

Paulo Pinto Mascarenhas | 16:00 | 2 comments

 

domingo, maio 28, 2006

 

Atlântico nos jornais



Confrontação social
Adão e Silva a
lerta o PS para perigos

O alerta do investigador do Instituto Universitário Europeu está expresso num artigo de opinião publicado na Revista "Atlântico" que desde ontem está nas bancas. Para Pedro Adão e Silva "o que tem sido muitas das vezes descrito como ocupação do espaço do centro e do centro-direita pelo actual Governo trata-se, na maior parte dos casos, de um eufemismo para descrever aquela que é a marca genética do executivo de José Sócrates, o enfrentar dos interesses corporativos".

Assim, acrescenta, "o que aparenta ser uma estratégia eleitoralmente sustentável pode afinal revelar-se uma opção de enorme risco. Um risco talvez apenas superado pela tentação para fingir que ele não existe".

No "Correio da Manhã" de ontem.

Paulo Pinto Mascarenhas | 23:43 | 3 comments

 

Big Show Rangel

The image “http://www.somlivre.pt/capas/674262.jpg” cannot be displayed, because it contains errors.
Não resisto a comentar o artigo de opinião de Emídio Rangel no "Correio da Manhã" deste sábado - "Venha a Ordem" - em que o inventor da "Cadeira do Poder", da "Máquina da Verdade", do "Caso Paula" e de vários subprodutos televisivos se atira ao Independente como o exemplo máximo do mau jornalismo, que terá destruído tantas carreiras políticas (por acaso, as "vítimas" que avança para credibilizar a tese genérica - Leonor Beleza e Miguel Cadilhe - não estão hoje propriamente no desemprego ou à beira da desgraça). Aproveita Rangel, como já começa a tornar-se um hábito, para despejar mais algum do rancor contra a SIC e, por tabela, contra o actual director da SIC/Notícias, Ricardo Costa.
Emídio Rangel vai porém mais longe e define José Luís Judas como um "homem impoluto" - "uma vida inteira ao serviço do sindicalismo, uma imagem de homem impoluto, inteligente, digno, manchada da forma mais perversa e grosseira" -, apenas vítima inocente dos malandros dos jornalistas que o terão vilipendiado. Tendo em conta este retrato e o exemplar escolhido para o efeito, começo a pensar se, afinal de contas, as recentes manobras mediáticas do ex-director da SIC, em volta do livro do "amigo" Manuel Maria Carrilho, não fazem parte de uma estratégia mais alargada para pôr na ordem os jornalistas, tornando-os reverentes e submissos perante o partido no poder. Se é para isso que pretende criar a Ordem dos Jornalistas exigida no mesmo artigo, estamos conversados.

Paulo Pinto Mascarenhas | 22:51 | 3 comments

 

A coisa aqui está preta

Os Guns N' Roses tocam hoje no Rock in Rio e muito se tem falado do novo album que se anuncia desde 1998: Chinese Democracy.
Não percebo o espanto e, muito sinceramente, tenho sérias dúvidas de que o novo album algum dia possa sair do prelo.


Tiago Geraldo | 00:51 | 6 comments

 

sábado, maio 27, 2006

 

Um novo centro

Ache-se ou não que o que Sócrates anda a fazer é substancial e consistente, uma coisa é certa: o centro, na vida política portuguesa, deslocou-se para a direita. Isto é, depois de anos em que se situou algures entre a esquerda e a extrema-esquerda, o "centro" moveu-se e passou a ficar exactamente ao centro. Naquilo que é centro nos países civilizados. Entre a esquerda e a direita. Estamos, pois, no bom caminho. Já temos esquerda (PCP, BE e PS alegrista-ó-saudosista) e centro (Sócrates e Cavaco). Só falta mesmo aparecer a direita.

ENP

Eduardo | 19:42 | 6 comments

 

Parabéns ao novo Indy que está melhor e mais bonito


Uma grande história a do procurador que lavou as mãos do processo de Judas e que tinha apoiado o PS nas últimas autárquicas. Só em Portugal é que uma notícias destas pode não ter consequências. A ler ainda José Diogo Quintela e a opinião de Mário Crespo sobre o debate do "Prós e Contras".

Paulo Pinto Mascarenhas | 03:53 | 5 comments

 

Atlântico nos blogues

A Atlântico, preço e JMA

Agora, no sítio do costume, adquiri, ou melhor trouxe para casa, a temporárias expensas do proprietário do estabelecimento, o n.º 15 da Revista Atlântico (Junho de 2006). Como sou rapaz honesto, que porém não gosta de ficar a dever – excepto aos Bancos – um cêntimo que seja, lá vim com a revista debaixo do braço sem pagar. Porquê?
A razão: os responsáveis pela composição gráfica de revista esqueceram-se de colocar na 1.ª página o preço da dita cuja. Eu bem fui dizendo que, a não ter ocorrido um aumento de preço inesperado, ela custaria 3 euros. Contudo, lá me vim embora com a promessa de amanhã lá voltar, após a verificação do preço nas guias de remessa.
Não sei se já o disse – e se o disse peço as minhas sinceras desculpas pela repetição – a
Revista Atlântico, apesar de “obscura”, lê-se muito bem; não só pela qualidade dos artigos que publica, mas também pelo grafismo e pela prosa de alto teor informativo e/ou opinativo que, embora sintética, é deveras pertinente e interessante.
Se é de direita, do centro ou da esquerda; se é opusdeica, laica ou maçónica; se é azul e branca, vermelha (encarnada), verde ou às risquinhas rosa fucsia; se é catalogada como possidónia, frugal, densa ou hermética, estou-me realmente nas tintas. Gosto de a ler e pronto [ponto].
Até ao momento em que redijo este enfadonho solilóquio ainda só tive tempo para ler dois artigos. O primeiro trecho merecedor da minha atenção foi o editorial do
Paulo Pinto Mascarenhas, que trata da polémica O Código Da Vinci vs. Opus Dei e do anúncio de um artigo de opinião do Director de Informação da Obra, Pedro Gil, que irei ler, mais tarde, com toda a minha ateística ponderação – pobre pai, com um filho desta estirpe, cuja cuidada e dispendiosa educação icarológica de nada serviu.
O segundo texto li-o com um sorriso de orelha a orelha, com laivos de um melífluo inebriamento na degustação final:

«Uma coisa é certa. Além de todas as razões para ter orgulho no Porto, sinto-me muito orgulhoso por o meu clube ser o maior de um Portugal democrático, pluralista e mais europeu.»
De João Marques de Almeida, “ F.C. Porto”, Revista Atlântico, n.º 15, Junho de 2006, p. 11.

Mais palavras para quê?

Nota: afinal há motivo para mais palavras, que surgiu na altura em que editava este texto para postar no meu blogue. O PPM já deu conta do estranho desaparecimento do preço da capa da revista. Quer-me parecer que foi culpa daquele senhor de cravo na dentadura e de punho cerrado que surge no canto inferior direito da 1.ª página.

André Moura e Cunha, no
Porque


Paulo Pinto Mascarenhas | 03:46 | 4 comments

 

sexta-feira, maio 26, 2006

 

O preço certo

Devido a um erro técnico, pelo qual pedimos desculpa aos leitores, o preço da revista Atlântico (deste ontem nas bancas) evaporou-se da respectiva capa. Para os possíveis reclamantes, avisamos que a revista tem um código de barras onde se encontra também o valor de capa. E nas próprias bancas existe um preçário onde estão discriminadas todas as publicações. No caso da Atlântico, são os 3 euros da praxe.

Paulo Pinto Mascarenhas | 17:33 | 6 comments

 

Contratação da Atlântico

Eduardo Nogueira Pinto vai também começar a estar por aqui. E vamos anunciar mais novidades muito brevemente. Com a ajuda especial do Tiago Geraldo. Certo é que o blogue da Revista Atlântico, tal como a própria, vai ser um espaço de inteira liberdade em que cada um dos que escreve é inteiramente responsável pelas suas opiniões. Como sempre.

Paulo Pinto Mascarenhas | 13:57 | 5 comments

 

é nestes momentos que me questiono se estou no rumo certo...se tudo isto vale a pena

Procurei. O meu nome não aparece no livro do Carrilho...

RMD

RMD | 10:50 | 3 comments

 

é amigo, mas é um amigo muito distante


Nuno Costa Santos* e Margarida Rebelo Pinto têm em comum uma profícua produção e a amizade de João Pedro George. O novo livro de Nuno Costa Santos, que eu até conheço muito mal e portanto sou absolutamente imparcial para comentar, já saiu e chama-se: "O inferno dos condomínios". O autor ainda tentou oferecer-me um exemplar, mas eu temi que a oferenda me toldasse o espírito crítico. Vou hoje comprar à livraria e depois comento. Acresce que este livro é para um mundo melhor...como o Rock in Rio. Parte das receitas destina-se à aquisição de um Mercedes topo de gama.
"O inferno dos condomínios" está à venda nos melhores estabelecimentos. Ide e comprai!

RMD

*Nuno Costa Santos é cronista aqui na casa

RMD | 10:14 | 3 comments

 

"Descubra as Diferenças" também às sextas



Agora, para além do horário normal dos domingos, das 11h às 12h com repetição das 19h às 20h, o programa "Descubra as Diferenças", uma parceria entre a Revista Atlântico e a Rádio Europa - 90.4 FM, na TV Cabo e no respectivo sítio -, também é transmitido às sextas (ou seja, hoje), a partir das 7 da tarde. Estarão em estúdio, comigo e com a directora da Rádio Europa, Vasco Rato e João Pedro George - sim, este último é aquele rapaz do Esplanar que escreveu os seus dois últimos livros a desancar em figuras tão irresistíveis da cultura portuguesa como Margarida Rebelo Pinto e Eduardo Prado Coelho. Garanto que a polémica não se limita a prometer - e a Atlântico está cá para isso.

«Descubra as Diferenças»

Um programa de opinião livre e contraditório onde o politicamente correcto é corrido a 4 vozes e nenhuma figura é poupada.

Com a (i)moderação de Antonieta Lopes da Costa e a presença permanente de Paulo Pinto Mascarenhas.

Sexta às 19 h,

Domingos às 11h00. Com repetição às 19h00.


Paulo Pinto Mascarenhas | 02:55 | 3 comments

 

Previsões só no final do país

No final do jogo do Europeu de sub-21 em que Portugal foi derrotado por 1-0 pela França, o primeiro-ministro José Sócrates disse sorridente ter "a certeza que vamos conseguir recuperar". Depois da derrota por 2-0 contra a selecção da Sérvia/Montenegro - ainda que se possa exigir a ilegalidade de uma selecção que representa um país que já não existe - começamos a ter uma ideia do que realmente podem significar as repetidas promessas de recuperação de Sócrates noutros sectores da economia nacional. Será que teremos também de ganhar por 3-0 no último jogo, e logo contra a Alemanha, nas Finanças, na Saúde e na Educação?

Paulo Pinto Mascarenhas | 02:41 | 3 comments

 

quinta-feira, maio 25, 2006

 

Leitura recomendada

Hoje, no Diário de Notícias, Ruben de Carvalho*, escreve sobre a manipulação da comunicação social e insurge-se contra a forma vil como o oitavo congresso da Juventude Comunista foi ignorado nas páginas dos jornais.

RMD

*na qualidade de jornalista e não de dirigente do Partido Comunista.

RMD | 18:02 | 2 comments

 

O preço da democracia

Para efeitos de memória futura o processo de Camarate é arquivado com milhares de páginas, mas sem conclusões. O avião caiu e pronto. Primeiros-ministros e ministros que morrem em quedas de avião é coisa comum. Por isso, o caso prescreveu.

Vinte e cinco anos depois. Vinte e cinco anos depois! Tempo mais do que suficiente para que os filhos dos que morreram, fossem também eles pais.

Não tenho vergonha da polícia que não investigou, não tenho vergonha dos tribunais que não julgaram, não tenho vergonha sequer de quem conspirou deliberadamente para que o assunto fosse enterrado com os corpos. Vergonha, mesmo, tenho de um país que se resigna a tudo isto. Da indulgência com que se ouve na rua “mataram-nos”, como se fosse normal estas coisas acontecerem.

Um amigo mais cínico dizia-me que Camarate foi “o preço a pagar pela democracia”. Depois dos anos de idealismo, acredito hoje que a percepção de um "preço" existe. Existe lá dentro, enraizada no subconsciente do país. Coisa que se pensa mas não se diz.

O discurso do preço da democracia é, aliás, bem familiar para todos. Diariamente, nas mais pequenas coisas, lembram que ainda estamos em dívida. E cobram. E o país paga em mansidão. Na mansidão com que exige, com que protesta, com que olha para o lado para não ver.

O país, mal habituado, crescido em abril, não tem ainda como evidente que uma democracia com agiotas também não é uma democracia.

Rodrigo Moita de Deus

RMD | 13:15 | 7 comments

 

quarta-feira, maio 24, 2006

 

Amanhã nas bancas

Atlantico_15_tudo_Page_01



Paulo Pinto Mascarenhas | 22:30 | 4 comments

 

terça-feira, maio 23, 2006

 

Viva a Argentina (e o Carlos Quevedo)

No dia 25 de Maio comemora-se o Dia Nacional da Argentina. Na Fnac Chiado assinala-se a efeméride com a apresentação do ciclo Borges, Tangos e outras Milongas, durante o qual será feita uma homenagem ao escritor Argentino Jorge Luís Borges. Esta homenagem contará com a presença do embaixador da Argentina em Lisboa, Jorge Faurie, de António Mega Ferreira, do jornalista Carlos Quevedo e Carlos Veiga Ferreira, editor de Borges em Portugal.
Às 19h
.

Via Bomba Inteligente

Paulo Pinto Mascarenhas | 15:51 | 3 comments

 

Sim, sim

Eu também sinto imenso orgulho, Francisco, "por o meu clube ser o maior de um Portugal democrático, pluralista e mais europeu". Foi pena não ser campeão este ano, o Benfica.

Paulo Pinto Mascarenhas | 15:43 | 4 comments

 

Essa é que é essa

«Além de todas as razões para ter orgulho no Porto, sinto-me muito orgulhoso por o meu clube ser o maior de um Portugal democrático, pluralista e mais europeu».

João Marques de Almeida, na Atlântico de Junho (sai Quinta, 25).

Francisco | 15:05 | 3 comments

 

Roteiro Atlântico no Blogue [24 de Maio - 30 de Maio]

O Público decide

24 de Maio [19h00] – O Médio Oriente concente a Democracia!

Intervenientes a definir

Local: Almedina Atrium SaldanhaLisboa

Organização: Livraria Almedina e Manuela Franco (IPRI)


Lançamento

24 de Maio [21h30] -
"O Islão na Europa" - obra coordenada por Maria do Céu Pinto
(Ed. Préfácio)

Local:
Biblioteca Municipal Almeida Garret - Porto
Organização: Editora Prefácio



Competitividade: somos capazes?

25 de Maio [14h30] Que papel tem o Estado na nossa competividade?
Com Rui Baleiras (Sec. Estado do Desenv. Regional); Luís Marques Mendes (Pres. do PSD); Rosado Carvalho (Jornal Público);
Manuel Monteiro
(Pres. Nova Democracia)

Local: Universidade do Minho, Campos de Gualtar - Braga
Organização: Escola de Economia e Gestão





aL | 00:02 | 6 comments

 

Roteiro Atlântico no Blogue [notas]

O IPRI conjuntamente com a Livraria Almedina organiza um interessante debate, onde no final "O público decide". O tema em debate nesta semana é a Democracia no Médio Oriente. Duas moções serão apresentadas, uma defendendo a possibilidade de de o Médio Oriente retomar o caminho da Democracia, outra argumentando o contrário.

Maria do Céu Pinto, uma das maiores especialistas nacionais em Assustos do Médio Oriente, organizou o livro "O Islão na Europa" (Ed. Prefácio) que será apresentado pelo jornalista Carlos Magno.

As últimas notícias sobre os indicadores económicos nacionais, revelam alguma esperança na reversão do actual ciclo económico. Mas e a "competitividade: seremos capazes?". Este é o mote para o ciclo de debates que começa hoje, organizado pela Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho.

aL | 00:01 | 4 comments

 

segunda-feira, maio 22, 2006

 

Na Póvoa do Varzim, o tempo estava cinzento e de chuva

O país não terá dado por isso, mas este fim-de-semana houve congresso do PSD.
Não é preciso ser um génio para concluir que com a aprovação das directas deixou de fazer sentido ter um congresso com este modelo. Mais valia aproveitar o tempo e o dinheiro para transformar o conclave laranja em algo de verdadeiramente útil. Querem-se stands, tendências e reuniões temáticas. Em suma, menos votos, mais soluções. Quer-se um género de certame de ideias para o país.

Estava honestamente convencido que a reacção do partido "profundo" à moção seria bastante pior. Para começar, parece que toda a gente a tinha lido (coisa rara). Na apresentação do texto o Gonçalo Capitão acabou por calar a sala e fazer aquela que foi considerada por muitos a melhor intervenção do congresso. Muito, muito aplaudida.

O Gonçalo tinha pedido um partido viril. Viril nas convicções, viril nas propostas e viril na oposição que fazia ao governo. A expressão fez buzz nos corredores. Poucos minutos mais tarde, Marques Mendes falava numa oposição do PSD “firme e vigorosa”. Temos, pelo menos, um líder que ouve os outros.

O melhor estava guardado para a noite quando a moção foi a votos. Marques Mendes quase levantou os dois braços exibindo, o melhor que podia, o seu voto contra. A comissão política nacional seguiu-lhe o exemplo com prontidão. As três primeiras filas também foram obedientes. O problema era tudo o resto. Nos votos a favor, levantaram-se braços convictos, distraídos e outros mais envergonhados. Mas levantaram-se. O líder eleito com 91% dos votos tinha perdido a votação por apenas três dezenas de delegados.

Como se não chegasse, no dia seguinte e só para chatear, o Gonçalo Capitão e outros três subscritores da moção ainda foram eleitos, em lista própria, conselheiros nacionais do partido.

Fica para a história que o congresso de coroação de Marques Mendes aprovou um texto que proíbe o partido de voltar a justificar o seu fraco comportamento com a culpa dos outros.
Pode ser que acate.

Já fiz a minha parte. A minha carreira política durou uma semana.
Apesar de tudo, um bocadinho mais que o Carnaval.

RMD

PS: Há muito tempo que não se via congresso do partido tão cinzento. E como se não bastasse, há muito tempo que não se via um congresso com um tão reduzido número de míudas giras. Enfim...todos sabiamos que afastar Santana Lopes tinha o seu preço.

RMD | 14:41 | 5 comments

 

domingo, maio 21, 2006

 

Quinta-feira nas bancas

Atlantico_15_tudo_Page_01

Maria Filomena Mónica arrasa a Casa da Música
Rui Ramos comemora o 25 de Abril de Salazar
Jorge Madeira (aka maradona) anuncia os resultados do Mundial de Futebol
Fernando Sobral escreve sobre o livro de Carrilho, mais um romance light
M. Fátima Bonifácio pede mais choques de trabalho e menos preguiça
Pedro Adão e Silva avisa José Sócrates dos perigos da estratégia de confrontação
Vasco Rato escreve sobre a falta de mensageiros na direita partidária
Pedro Gil da Opus Dei desmonta e confronta o Código da Vinci
Luciano Amaral diz que o monstro chamado Constituição Europeia está vivo
João Luiz Neves
escreve do Brasil sobre os motins em São Paulo
Alexandre Soares Silva diz que os conservadores têm um problema sério de imagem
João Marques de Almeida celebra a dobradinha do FC. Porto
Vítor Cunha encontra-se nos labirintos da justiça portuguesa
Carla Hilário Quevedo explica os segredos mais íntimos dos blogues
Bruno Cardoso Reis escreve à esquerda sobre o exemplo de D. António Ferreira Gomes

E muito (mas mesmo muito) mais. E do melhor. De Bruxelas, da Índia, de Espanha, de Washington, de Lisboa, do iberismo do ministro Lino, da Covilhã, da TV, das mulheres à solta, da religião, dos sítios de culto, de quem tem vinte e um anos, da mãe, dos livros, dos discos, do cinema, da arte, da cultura, de viagem, de eventos, conferências e lançamentos....

Revista Atlântico. Nº 15. Quinta-feira nas bancas.

Paulo Pinto Mascarenhas | 22:55 | 5 comments

 

Política & Cultura

Só para lembrar à metade do país que ao fim-de-semana acorda (muito legitimamente) à hora do almoço, que às 19h repete o programa «Descubra as Diferenças» na Rádio Europa, em 90.4 FM, que desta vez, para além do Paulo Pinto Mascarenhas e Antonieta Lopes da Costa, conta com a presença de Pedro Mexia e Pedro Lomba, numa conversa sobre as relações entre a política e a cultura.
Depois de ouvirem o programinha passem por aqui para dizer que o Cavaco nem sabia quantos cantos têm Os Lusíadas, que a cultura à direita acabou de nascer, que a direita só quer «conservar» as pedras e que a nossa condição cultural é (e cito) profundamente liliputiana. Isso ou outra coisa qualquer que nos faça corar de vergonha.

Tiago Geraldo | 16:52 | 9 comments

 

sexta-feira, maio 19, 2006

 

Recordar edições passadas (mas actuais)

SENTADOS NO SOFÁ

O estilo Robin Hood

Manuel Falcão

Uma grande parte da informação de carácter político, económico, sindical e social que se faz em Portugal funciona em circuito fechado. Apesar de estes serem temas de interesse generalizado, na maioria dos casos são tratados não como informação, mas sim como campanhas e lobbies, que funcionam num permanente círculo bem limitado entre quem gera a notícia e quem é suposto resolver o assunto (e, sintomaticamente, não para quem se poderia interessar por aprofundar o tema ou por ele teria mera curiosidade).
Vamos pegar num exemplo radical desta situação, aplicado à esfera sindical e social, que hoje em dia tem uma capacidade de penetração invejável na TSF. O modelo informativo da TSF, baseado em registos de declarações de terceiros e em reportagens «em directo», facilita muito a manipulação. Efectivamente, dando a ilusão que reporta, a TSF raramente contextualiza e relativiza aquilo de que está a falar, pronunciando-se em termos gerais e absolutos. De facto, parecendo que não edita, a TSF editorializa os seus conteúdos de forma muito criteriosa e, acho eu, tendenciosa.
Por isso, um pequeno incidente laboral numa qualquer fábrica arrisca-se a ter a mesma repercussão – na generalidade dos casos mais – do que uma descoberta científica assinalável e relevante para a Humanidade ou, mais prosaicamente, maior destaque do que uma decisão de investimento que gerará mais postos de trabalho.
Há uns anos, quando quase não tinha presença mediática, o movimento sindical e alguns movimentos sociais perceberam a importância de «controlarem» a agenda de uma estação como a TSF. Hoje dominam o mecanismo e ganham presença assinalável. Algumas formas de protesto são feitas – já nem tanto para os media em geral - mas sobretudo para que uma estação com as características da TSF as possam amplificar, de preferência ao arranque do dia, para gerar um efeito de cascata em outras redacções. No fundo são muito poucos a influenciar muito poucos – mas com este expediente parecem muitíssimos. Estamos na floresta de Sherwood, com a velha missão de Robin Hood transportada para os tempos actuais.
Como todos bem sabemos, a TSF é capaz de passar uma manhã interna com directos e gravações de depoimentos de pequenos incidentes e situações que não têm nem a relevância nem a dimensão para o lugar e o tempo que ocupam nos seus blocos noticiosos.
Aqui começa a gerar-se um caso curioso: a TSF ocupa a posição que tem por ser supostamente uma rádio de referência em termos informativos – mesmo que uma análise dos seus conteúdos mostre que existe uma distorção e um posicionamento editorial orientado que é o contrário do que deve ser um órgão de referência. O seu público alvo está na classe A e B, nos grandes centros urbanos. A publicidade que procura é orientada para estes públicos. É uma rádio ouvida de automóvel entre as sete e as dez da manhã e, depois, de forma mais irregular, ao fim da tarde. Gosta de se apresentar como uma rádio feita a pensar nos decisores, nos líderes.
Ora bem, a contradição passa por aqui, pelo facto de a TSF sistematicamente orientar editorialmente uma parte importante dos seus noticiários contra o seu próprio público-alvo em termos comerciais. Só os profissionais da política – e a imensa fauna que gravita à sua volta - é que seguem, por dever de ofício, estas missas evangelistas e o discurso «Robin Hood» que se tornaram a imagem de marca da estação. Os que gostam de saber o que se passa, de facto, têm cada vez menos oportunidade de utilizar a rádio para satisfazer a curiosidade de saber o que aconteceu, aqui e no mundo, e não aquilo que alguém, algures, deseja que venha a acontecer.

Publicado na edição de Abril da Revista Atlântico.

Paulo Pinto Mascarenhas | 17:09 | 3 comments

 

Ferros curtos, moções e vitamina C

1. Ainda antes do congresso, tenho de agradecer ao Paulo Mascarenhas, ao Francisco Almeida Leite, ao André Azevedo Alves e a todos quantos pela blogosfera fizeram referência ao manifesto. Agradecer às pessoas que tiveram o cuidado de ler a moção e comentá-la. Agradecer especialmente às quatro dezenas de delegados ao congresso que, em vinte e quatro horas, subscreveram o texto. O partido ainda não é uma massa amorfa;

2. Do país, tem-se a impressão que ninguém gosta do Engenheiro Sócrates mas que as pessoas lhe dão o voto porque “é o menos mau”. Do PSD, tem-se a impressão que o líder é eleito porque “não se arranja melhor”;

3. Esperar que o Partido Socialista perca as eleições, em vez de tentar ganhar as eleições, até pode ser uma estratégia vencedora. Admito que estar calado causa pouco desgaste. Que ser populista compensa em votos. Não é o chegar lá que me preocupa. Em Portugal o poder é rotativo. Mais tarde ou mais cedo chegamos lá. A questão que se coloca é chegar lá para fazer exactamente o quê?

4. Nos últimos dez anos, esta cultura generalizada do suficiente e do menos mau, tem empurrado Portugal para uma espécie de fossa onde quase todos têm pejo de mexer;

5. Portugal é governado por políticos que andam nisto há pelo menos trinta anos. Trinta anos! Perpetuam-se, tiram senhas, exercem o poder à vez. Tinham, pelo menos, a obrigação de fazer mais e de fazer melhor. Mas quando saírem de lá, daqui a outros trinta anos, vão devolver o país em pior estado do que o encontraram. Nesse dia, o problema já não será deles.

6. Hoje a política é um problema. É uma espécie de obstáculo ao desenvolvimento do país e ao bem-estar das pessoas. Em vez de solução é um estorvo. Que chocante paradoxo!

7. É mais fácil escrever graçolas em blogues, desabafos em jornais, lançar farpas na televisão. Todos somos treinadores de bancada. Mas os nossos achamentos não resolvem nada. De vez em quando é preciso ir lá. Não é preciso fazer muito. Basta lembrar a quem de direito que o público é um pouco mais exigente do que parece.

RMD

RMD | 09:56 | 10 comments

 

Vasco Rato em entrevista


"Marcelo seria um excelente candidato à liderança do PSD".

Paulo Pinto Mascarenhas | 01:34 | 3 comments

 

Grande Esperança

Prevejo para amanhã (hoje) que por aqui seja publicado um manifesto de Deus a propósito de uma moção que poderia mudar os destinos do PSD, se no PSD ainda existisse uma coisa que se chama sentido de humor. É aliás um dos problemas dos partidos portugueses: estão cheios de gente que se leva demasiado a sério. Gente que diz que não sabe quem é o Quaresma e que por isso nunca compreendeu nem compreenderá realmente o que é ser português. Porque ser português é também ser o Quaresma, a esperança preterida, o génio que escapa, o D. Sebastião que não chega. O Rodrigo Moita de Deus é há muito uma certeza mas será sempre também uma grande esperança. Nem de propósito: Grande Esperança é um título quase tão auspicioso como Nova Esperança, não é? Sentido de humor, precisa-se.

Paulo Pinto Mascarenhas | 01:07 | 4 comments

 

quinta-feira, maio 18, 2006

 

Descubra as Diferenças



Este domingo, Pedro Lomba e Pedro Mexia são os dois convidados do programa "Descubra as Diferenças", na Rádio Europa, em 90.4 FM. Uma conversa sobre as relações nem sempre pacíficas entre política e cultura, políticos e agentes culturais, partindo da renomeação de João Bénard da Costa para a Cinemateca. A candidatura de Cavaco Silva, a arrogância cultural da esquerda soarista, o descrédito crescente de alguma classe política que leva muitos dos mais novos a afastar-se e a desinteressar-se da sua prática, são mais alguns temas do programa marcado para as 11h da manhã, com repetição às 19h.

«Descubra as Diferenças»

Um programa de opinião livre e contraditório onde o politicamente correcto é corrigido a 4 vozes e nenhuma figura é poupada. Com a (i)moderação de Antonieta Lopes da Costa e a presença permanente de Paulo Pinto Mascarenhas.

Domingos às 11h00. Com repetição às 19h00.


Paulo Pinto Mascarenhas | 22:34 | 1 comments

 

Mas será que convenceram realmente alguém?















Os segredos d "O Código Da Vinci" não convencem Cannes

Paulo Pinto Mascarenhas | 01:47 | 1 comments

 

quarta-feira, maio 17, 2006

 

Eu é mais Thomas Bernhard

No livro de Dietrich Schwanitz, «Cultura», um dos capítulos dedica-se à defesa (grosseira) de uma presumida «alta-cultura» (nada contra a «alta-cultura», tudo contra Dietrich Schwanitz). O capítulo merece este título sugestivo: «O que não convém saber». Há minutos, Pacheco Pereira perguntou na SicNotícias: «Quem é o Quaresma?».
Podemos debitar Espinosa e produzir referências impossíveis de controlar. Podemos, sei lá, falar em «volúpia do aborrecimento» e em «ordálio das palavras impossíveis», mas não há nada, nada mais indiscutível, nada mais irisado e intelectual do que isto. Novamente: «Quem é o Quaresma?» Que vigor. Que biblioteca.

Tiago Geraldo | 23:26 | 5 comments

 

Mário Lino, amigo



Esta taça também é tua.

Tiago Geraldo | 22:06 | 0 comments

 

terça-feira, maio 16, 2006

 

Em directo da guerra

Comunidade portuguesa em São Paulo. Brasil, meu Brasil. A não perder.

Paulo Pinto Mascarenhas | 13:31 | 0 comments

 

Exclusivo Atlântico

Promete ser a melhor moção do próximo Congresso do PSD. O Rodrigo Moita de Deus - quem haveria de ser? - apresenta moção de estratégia, acompanhado por mais dois congressistas. Chama-se "Manifesto da culpa dos outros" e já tem site aqui. É a primeira moção-blogue - e, só por isso, merece o vosso apoio. Vão lá ler, que não custa mesmo nada.

Paulo Pinto Mascarenhas | 13:26 | 0 comments

 

Roteiro Atlântico [17 de Maio - 23 Maio]

Ciclo Falar de Blogues

17 de Maio [19h00] Blogues no Jornalismo: Jornalismo e Comunicação
Com Manuel Pinto (Jornalismo e Comunicação); Paulo Querido (Mas certamente que sim); António José Silva (Sopa de Pedra)

Local: Almedina Atrium SaldanhaLisboa

e-mail: geral@almedina.net

Organização: Livraria Almedina e José Carlos Abrantes


20 anos de Integração Europeia

19 de Maio [14h00] – A integração económica de Portugal no espaço europeu
Com Jorge Braga de Macedo (FE – UNL); Francisco Torres (UA); Pedro Lains (ICS – UL); João Confraria (UCP); Miguel Lebre de Freitas (UA); Pedro Pita Barros (FE – UNL); Linda Veiga (U Minho); Maria M. Pinho (FEP); Carlos Jalali

Local: Campus Universitário de Santiago – Aveiro
Organização: Departamento de Economia, Gestão e Engª IndustriaUniversidade de Aveiro


Aprender a Educar - Grupo de Discussão para Pais... que não são heróis

19 de Maio [21h30] – Auto-estima: um bem precioso
Coordenado por: António M. Fonseca; Luísa Campos; Luísa Trigo

Local: Campus da Foz – Porto
Organização: Instituto de EducaçãoUniversidade Católica Portuguesa



Comemorações do Cinquentenário da Fundação Calouste Gulbenkian


23 de Maio [18h00] – Alterações Climáticas e Saúde: uma perspectiva global
Com Bettina Menne (WHO/OMS – Regional Office for Europe); Filipe Duarte Santos (FC – UL); Viriato Soromenho Marques

Local: Fundação Calouste Gulbenkian – Lisboa
Organização:
Fórum Gulbenkian de Saúde 2006 - 2007

aL | 12:02 | 1 comments

 

Roteiro Atlântico no Blogue [notas]

A Livraria Almedina tem organizado o Ciclo Falar de Blogues, sendo que o tema em discussão para esta semana “Os Blogues no Jornalismo”. Nesta discussão pretende-se compreender o papel dos blogues no seio da comunicação social dita tradicional.


Ainda no âmbito das comemorações do Dia da Europa, o DEGEI da Universidade de Aveiro promove um debate sobre os 20 anos de integração de Portugal na União Europeia. Numa altura em que Portugal se depara com uma alteração profunda nos fundos comunitários de apoio, este é um debate essencial para a compreensão de como Portugal foram estes 20 anos de intregrassão e de quais as perspectivas no quadro de uma Europa a 25.

A iniciativa do Instituto de Educação da Universidade Católica Portuguesa pretende de forma descomprometida debater os principais dilemas e preocupações dos pais na educação de seus filhos.

As alterações climáticas e as suas repercussões na saúde são cada vez mais um motivo de preocupação não da comunidade cientifica mas também do público não-especializado. Assim no âmbito da comemoração dos 50 anos da Fundação Calouste Gulbenkian o Fórum Gulbenkian da Saúde leva a cabo uma série de debates e conferências sobre esse tema.


No programa Foreign Exchange [com o sub-título muito curioso de “Where America meets the Word”] desta semana, Fareed Zakaria conversa com John O’Sullivan [antigo conselheiro de Margret Thacher] sobre o futuro de Tony Blair. É também convidado do programa Uwe Reinhardt, que comentará as possíveis alterações que o serviço de saúde americano poderá ter e as influências que outros sistemas de saúde têm nessa alteração.


aL | 00:01 | 0 comments

 

segunda-feira, maio 15, 2006

 

Chat Atlântico

Tiago Geraldo, preciso de falar contigo com urgência. O teu e-mail não funciona.

Paulo Pinto Mascarenhas | 11:53 | 0 comments

 

sábado, maio 13, 2006

 

Opus Dei is scary because it's so normal

É este o título de um artigo de Mary Wakefield na última Spectator sobre a Opus Dei. Há uma tentação maniqueísta que gosta de ver na Opus Dei uma espécie de maçonaria de sentido inverso, mas na reportagem que a SIC emitiu há pouco sobre essa polémica, obscura e conspirativa organização da Igreja Católica, confirma-se a suspeita de que, afinal, não há por ali pormenor mais assustador do que uma (quase) absoluta normalidade.

Tiago Geraldo | 21:31 | 4 comments

 

quinta-feira, maio 11, 2006

 

Mas afinal qual é o problema do livro do Carrilho?

Que eu saiba, não é o primeiro filósofo a tentar a sorte na ficção.

Francisco | 17:57 | 2 comments

 

Quid est veritas?

É a esta pergunta que Carrilho, dois mil anos depois, se propõe responder. Não vejam nisto espécie alguma de pretensão. Afinal o homem é filósofo. Tolerem, aceitem. Aprendam a respeitar. Carrilho passou por uma tremenda e dolorosa provação. Afastou-se. Deixou crescer a barba. Carrilho é hoje um homem maduro e amargo que prepara com notória impaciência a sua ressureição política. A fénix renasce com o lançamento de um livro sobre a ignominiosa cabala que lhe foi movida por uma teia feroz e manipuladora. Carrinho, o difamado, o ofendido, o derrotado, vem com o «rigor e precisão» que Saramago nobelmente atesta e reconhece, nomear os «factos e nomes» que levaram à estrondosa derrota naquela tristemente célebre noite eleitoral. Ah, seus acomodados, com esta é que ninguém esperava. A verdade, meus senhores, a verdade. A democracia burguesa que se ponha a pau. Vem aí o apocalipse.

Tiago Geraldo | 01:25 | 5 comments

 

quarta-feira, maio 10, 2006

 

Atlântico nos blogues


Algures entre uma penosa jornada Porto-Lisboa-Porto, ontem, e graças a um atraso aéreo, acabei de ler o número de Maio da Atlântico.

Destaco, "O maior agressor", do Luciano Amaral, e o ensaio "Fernando Gil: Um convite à Leitura", de Paulo Tunhas. Particularmente interessante, também, "Identidade e Privacidade", do André Azevedo Alves, onde se aborda um dos meus temas favoritos e que mais me divide, o da identidade e do número.

Tempo ainda para apreciar "Fotógrafos da Ternura" e uma foto de Carlos Calvet, um dos meus preferidos, que a Fátima Vieira destaca na apresentação da exposição que decorre no Museu da Cidade. Ao ler o José Avillez, fiquei com vontade de comer pato: hoje vai ser esse o meu jantar. Depois de Bergman e "Morangos Silvestres", o Henrique Raposo regressa ao humor com "Saudades do Velho Cinema Italiano", dilacerando Roberto Begnini. Já o Adolfo Mesquita Nunes lamenta-se da sua vida de solteiro, certamente porque desconhece a de casado...

O melhor da Atlântico está, contudo (a par das "Confissões - Família", de Maria Filomena Mónica), na página 58, "Velho de espírito", do Bruno Alves:
É isto que os políticos obcecados pelo "emprego jovem" não percebem (...) que a juventude não ambiciona entrar no "mercado de trabalho" (...) ambicionam, isso sim, passar directamente da dependência paternal para a dependência estatal (...) da mesada à reforma.

Excelente! Parabéns ao Paulo, porque o seu esforço está a dar frutos. Uma revista que se lê com prazer - concordando-se ou não com o seu conteúdo - do princípio ao fim. Para ser lida pela direita, pela esquerda, e pelos que - como eu - já não se revêem nestas dicotomias.

Rodrigo Adão da Fonseca, no Blue Lounge

Paulo Pinto Mascarenhas | 14:03 | 1 comments

 

Cartas de amor, quem as não tem

Mahmoud Ahmadinejad é do bom tempo: o tempo em que se enviavam cartas. Ahmadinejad deve estar neste momento a descobrir a literatura ocidental do séc. XIX: o culto da carta, o amor distante e literário, as diatribes da Mme. Bovary.
Falta-lhe, é certo, avançar uns anos e descobrir um montão infindável de coisas, como a liberdade, a igualdade de género, o holocausto e o prestimoso pincel para a barba (coisa que, incrivelmente, toda uma civilização ignora).
Compreende-se e concede-se por isso que o Presidente do Irão não tenha conhecimento que por cá há muito que nos convertemos ao e-mail. Mas este pormenor epistolar não deixa de ser um retrato impressivo dos muitos séculos que nos separam.

Tiago Geraldo | 03:37 | 7 comments

 

Polémica antecipada

A propósito do filme "O Código Da Vinci" que estreia no próximo dia 18 em Portugal, vale a pena ler o seguinte artigo, publicado na Spectator:



Opus Dei is so normal it’s scary
Mary Wakefield (THE SPECTATOR)

After three hours with Opus Dei women at Ashwell House in east London I wandered west, half-stunned, like a cat hit by a car. At Oxford Circus the usual loons were saving souls: ‘Repent now, turn to God!’ from a woman on the south side. From a north-end traffic island, megaphone man provided the antiphonal response: ‘Seek salvation before it is too late!’ And in my pocket my mobile, ringing with a message from an Opus Dei publicity man. ‘Hi there! When you’re finished at Ashwell House, come to Notting Hill to have tea with Sebastian. He’s a supernumerary and he plays the cello! I think it’s important that you meet him.’

Maybe, but I wasn’t sure I could. I’d had enough. It wasn’t that Opus Dei had been unexpectedly sinister or murderous, like Silas, the anti-hero of The Da Vinci Code — after all, St Josemariá Escrivá beat himself till he bled, so I’d been expecting, hoping for, gothic. It wasn’t even that they were sallow and enigmatic, like Ruth Kelly, Opus Dei’s representative in the Cabinet. Instead, the members I’d met had been so mysteriously well-balanced and comfortable in their skins as to be actually frightening. If I had to sustain eye contact with another well-adjusted, devout young Catholic, I thought I might start swearing, or crying.

Ashwell House, a hall of residence for female students, is owned by Opus Dei but open to all — some students are members of what’s known as ‘The Work’, some are agnostic. It’s a business and, like most Opus Dei operations, self-supporting, impeccably run — a testament to the efficacy of Escrivá’s grand idea: that lay Christians can seek holiness not despite the daily grind, but through it.

I was shown around by Ashwell’s directors, Eileen and Sam, both 40 or so, both numeraries of Opus Dei — celibate, devout, wearers of the now famous cilice, a spiked chain strapped around the thigh for an hour or two most days to mortify the flesh.

Ashwell House was quiet, the walls a startling salmon pink, and my first impression of Sam and Eileen was of a quieter version of television’s Trinny and Susannah, the hosts of What Not to Wear. Sam, dark-haired, in a high-collared red chiffon shirt; Eileen, blonde, made-up, in a V-neck lined with sequins. After a quick tour of the premises, ‘a good environment for clean-living students’, we settled in a common room for coffee and life stories. ‘I was an Anglican,’ said Sam, ‘at a little CofE school, but my experience of Anglicanism was of nice middle-class ladies in hats going to church on a Sunday, and I wasn’t satisfied. I thought, there must be an objective truth, and this isn’t doing credit to it. Then I met a Catholic girl who seemed to be cheerful and great fun, and started going to meetings with her. She was in Opus Dei, so I went to classes, then joined as a numerary.’ Simple! She smiles. How could you be sure this was your vocation? ‘I wasn’t!’ said Sam. ‘It’s more like being in love and deciding to get married — everything points in the same direction, it all makes sense and there’s a feeling of tremendous happiness.’

After admission to Opus Dei, there’s an order to a numerary’s day — morning prayers, daily Mass, daily rosary and an intense focus on hard work. They also hand money over to the movement. How much? I asked Eileen. ‘It’s up to you, up to your conscience,’ she said. ‘A peasant family, for instance, might give two carrots. You use the money that you think you need and give the rest. A good rule of thumb for what to spend on yourself is, “Would a mother of a large, poor family buy this for herself?”’

Eileen’s story is much the same as Sam’s. ‘Though I’d always wanted to get married and have children, I knew at 17 that my vocation was to be a numerary. I felt, unfortunately, this is what God wants me to do! It fitted like a key in a lock.’ But didn’t your parents mind? ‘Mine were very unhappy,’ said Sam. ‘They said, “You can’t leave home until you’re 21.”’ But did you? ‘Yes.’

‘Opus Dei doesn’t try to alienate you from your parents; we obey the fourth commandment,’ said Eileen. ‘But a lot of members join when they’re young and so the parents are overprotective.’ Both women seem baffled by this. ‘The only explanation I can give is that parents don’t trust the judgment of their children,’ said Eileen. ‘It’s odd, because it’s not as if the child has started taking drugs; they’ve just decided to give their life to God.’

‘Would you like to meet some of our young members?’ said Sam, and then followed an odd hour interviewing supernumeraries (the marrying kind). First up was Melissa, green cardigan and suede boots, with a breezy public-school manner.

‘I liked Opus because I met people who were young, vibrant, sporty,’ she said. ‘To be honest, all the Catholics I’d met before had been old and nice but, you know, not like me.’ She laughed. ‘Now if I feel like a big fat load of zeros, I remember I’ve got Christ in front of me and I can do anything!’

Next Olivia, 21, pink ballet shoes, pink top. ‘My mum met The Work through her dentist. I wasn’t that interested, but then I went to an Opus school in Nairobi in my gap year, and when I came back I found I wanted to take my faith seriously. Now I’m much happier!’ Then Nadia, another former Ashwell resident; and by the time Mary, 22, wandered in, I felt like a GP. Hello, sit down, how are you today? Any aches and pains? ‘When things bother me, I can ask for help,’ said Mary. ‘I thought I’d hate it, but you feel like the people here actually do care about you.’

Another articulate girl in fashionable trainers, another 20 minutes of almost non-stop eye contact. I stared, for a change, at a row of ceramic donkeys on the windowsill — which an ex-Opus Dei friend of mine told me stand somewhere in every Opus house, symbolising the need to work for God.

Everyone seemed well turned out, clever, devout, but where were the regular messed-up folk? Where were Dan Brown’s freaks, his everyday weirdos?

Eileen and Sam came back with a typically efficient press pack and a ‘List of names for Mary Wakefield, Ashwell House, 1 May 2006’. So what about a disabled member? I asked. Someone who is unable to work, and therefore unable to support herself financially as Opus Dei rules require? Would they receive any financial help? ‘They would have the usual income support from the government,’ said Eileen, ‘and there’s always work to do. There’s someone here who has MS, for instance, and she has a lovely little job on reception.’ And do the elderly get any financial help after a hard life donating every bean? ‘It’s important that they do the work they can. Your work gives you self-esteem,’ said Eileen.

Before I left, Sam admitted that the hype around The Da Vinci Code sometimes got her down. ‘It’s been a great opportunity for us but also difficult,’ she said. ‘We’ve been afraid of the press in the past, but we’re beginning to realise that not all journalists are out to get you. Some of them,’ she said cautiously, ‘can be normal human beings.'

Paulo Pinto Mascarenhas | 01:31 | 3 comments

 

Enquanto isto, em Coimbra

cartaz lions

Paulo Pinto Mascarenhas | 01:23 | 1 comments

 

terça-feira, maio 09, 2006

 

Facto do momento

O facto mais revelador das últimas semanas? Não, não é o folclore na Bolívia. Nem é a carta que o senhor camionista iraniano enviou ao presidente americano. O facto mais revelador (do que aí vem) é o seguinte: a visita do ministro dos negócios estrangeiros japonês ao quartel-general da NATO. Estreia absoluta.

Mr. Aso’s visit to NATO Headquarters comes as the Alliance is looking at strengthening its relations with non-member countries.
“We have far too much in common to allow our geographical separation to prevent us from working closely together,” said NATO Secretary General Jaap de Hoop Scheffer as he welcomed Mr. Aso to the Council


Claro que as televisões desprezaram esta novidade histórica (já não é apenas a aliança entre EUA-Japão, “provocada” pela história; é também a aproximação normativa - valores - e estratégica - Poder - do Japão em relação ao maior espaço democrático do mundo). Filmar um japonês de fato e gravata, que, ainda por cima, concorda com os americanos, é mesmo uma seca mediática. É mais divertido filmar dois deserdados do mundo, duas vítimas do imperialismo ocidental, de megafone na boca decretando o direito à bomba ou o direito ao gás nacional. E, entretanto, a opinião pública continua na ignorância. Só vê o lado desordeiro. Nunca se mostra o lado da ordem. E o problema é que nunca existiu um período com tamanho grau de ordem e paz na história (pelo menos, desde o XVII).

PS: Ainda sobre a aliança global entre as potências liberais - se não me engano um especialista na Índia vai estar na Católica nesta sexta. Não perca. Pode ser uma seca, mas é aquilo que faz mexer o futuro. Deixe lá a Bolívia e o menino iraniano.

Henrique Raposo | 18:54 | 2 comments

 

Roteiro Atlântico no Blogue [10 Maio - 16 Maio]

2º Ciclo de Seminários de Investigação em Ciências da Comunicação
11 de Maio [18h30] – A Cartase do Fogo: Sobre a Simbologia dos Incêndios no Ecrã da Televisão
Fernando Ilharco (Fac. Ciências Humanas / UCP)

Local: Edifício João Paulo II, Palma de Cima - Lisboa
Organização: Centro de Estudos de Ciências da Comunicação, da Univ. Católica Portuguesa


O Mau-trato infantil na comunicação social
12 de Maio [09h30 – 16h15] - Os maus-tratos a crianças na comunicação social
Ana Tomás de Almeida (Directora do Centro de Estudos da Criança); Helena Mendonça (Jornalista); Eduardo Sá (FPCE - Universidade de Coimbra); Carlos Farinha (Polícia Judiciária); Francisco Maia Neto (Procuradoria-Geral da República); Alfredo Maia (Sindicato dos Jornalistas); Hernâni Carvalho (Jornalista); Maria José Gamboa (Grupo Parlamentar do PS); Ferran Casas (Universidade de Girona, Espanha); entre outros

Local: Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho
Avenida Central 100– Braga
Organização: Centro de Estudos da Criança; Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade

Antes que venha o Mundial: futebol e literatura II
16 de Maio [18h30] – A Escrita do futebol: Vantagens, desvantagens, desafios e limitações do tratamentojornalístico do futebol em Portugal

Afonso de Melo, António Tadeia, João Marcelino, PedroBoucherie Mendes e Rui Zink

Local: Casa Fernando Pessoa
Rua Coelho da Rocha 16 - Lisboa
Organização: Casa Fernando Pessoa

aL | 00:02 | 1 comments

 

Roteiro Atlântico no Blogue [notas]

Televisão e Futebol têm mais em comum do que aparentemente pode parecer, são fenómenos aglutinadores que alteram comportamentos dos indivíduos, que exaltam as mais variadas emoções. Estes são os temas em destaque esta semana no Roteiro Atlântico no Blogue.

Todos os anos o Verão é denominado na Comunicação Social como a Época dos Fogos, que parece cada vez mais fazer parte da programação diária da televisão. Esta é a matéria abordada por Fernando Ilharco.

Os maus-tratos infantis [um assunto cada vez mais recorrente em Portugal] e a forma como a forma como a Comunicação Social trata a matéria é o tema do debate que decorrerá na Universidade do Minho.

A Casa Fernando Pessoa levará a cabo durante este mês de Maio um programa intitulado “Antes que venha o Mundial: futebol e literatura”, a seguir com atenção.

aL | 00:01 | 0 comments

 

sábado, maio 06, 2006

 

Lula Lá

Na foto, todo um programa sobre a passividade do Brasil perante as insurrectas investidas de Evo Morales.

Tiago Geraldo | 21:27 | 6 comments

 

Vêm aí as quotas

Na Batalha, Ribeiro e Castro diz que o CDS é um partido democrata-cristão aberto a conservadores e liberais.

Tiago Geraldo | 17:40 | 3 comments

 


EDIÇÃO Nº 25

ABRIL 2007

...

A NOSSA REVOLUÇÃO DE ABRIL - A SÉRIO E A BRINCAR
por RUI RAMOS E 31 DA ARMADA

O MAIS IMPORTANTE AINDA ESTÁ POR FAZER!
por ANTÓNIO CARRAPATOSO

A VELHA EUROPA E A NOVA INTEGRAÇÃO EUROPEIA
por VÍTOR MARTINS

DOIS ANOS DEPOIS
por JOÃO MARQUES DE ALMEIDA, LUCIANO AMARAL e PAULO PINTO MASCARENHAS

COMO O ESTADO MATOU O COZINHEIRO ALEMÃO
por PAULO BARRIGA

O PACTO
por PEDRO BOUCHERIE MENDES

ERC

Inquérito Atlântico

Sem inquérito neste momento

Procurar

Web Este Blog

 

Rádio Europa

Descubra as Diferenças»

Um programa de opinião livre e contraditório onde o politicamente correcto é corrido a 4 vozes e nenhuma figura é poupada.

Com a (i)moderação de Antonieta Lopes da Costa e a presença permanente de Paulo Pinto Mascarenhas. Sexta às 19h10.

Com repetição Domingo às 11h00 e às 19h00.

 

Em Destaque

PORTUGAL PROFUNDO

O INOMINÁVEL

JAZZA-ME MUITO

 

Ligações Atlânticas

19 meses depois

31 da Armada

A Arte da Fuga

A Causa Foi Modificada

A Cooperativa

A cor das Avestruzes Modernas

A Esquina do Rio

A Invenção de Morel

[A Mão Invisível]

A Propósito de Nada

Arcebispo da Cantuária

Arrastão

A Sexta Coluna

A Vida em Deli

Acho Eu

Adufe

[Aforismos e Afins]

Aos 35

Alexandre Soares Silva

Aspirina B

[Aviz]

Axónios Gastos

Babugem

[Barnabé]

Bichos Carpinteiros

Blasfémias

[Blog de Esquerda]

Blogue dos Marretas

Blogzira

Bloguí­tica

Blue Lounge

Boca de Incêndio

Bomba Inteligente

Canhoto

Carambas

Causa Liberal

Causa Nossa

Cinco Dias

Complexidade&Contradição

Contra a Corrente

Corta-Fitas

[Crónicas Matinais]

Curioso

Da Literatura

Desesperada Esperança

Destaques a Amarelo

Devaneios

Diário de um quiosque

Diário da República

Dolo Eventual

Educação Sentimental

Elasticidade

elba everywhere

Esplanar

Estado Civil

Foguetabraze

[Fora do Mundo]

french kissin'

Futuro Presente

Galo Verde

Geraldo Sem Pavor

Glória Fácil

Grande Loja do Queijo Limiano

Homem a Dias

Ilhas

Incontinentes Verbais

Jaquinzinhos

JPC I

JPC II

No Mundo

Kapa

Kontratempos

Lobby de Aveiro

Lóbi do Chá

Mar Salgado

Margens de Erro

Ma-Schamba

Mau Tempo no Canil

[Melancómico]

Mel Com Cicuta

Metablog

Minha Rica Casinha

Miniscente

Mood Swing

[No Quinto dos Impérios]

Notas Várias

Nortadas

[O Acidental]

O Amigo do Povo

O Boato

O Diplomata

O Cachimbo de Magritte

[O Espectro]

O Estado do Sí­tio

O Insurgente

O Observador

[O Sinédrio]

O Telescópio

O Vilacondense

Office Lounging

[Ordem e Progresso]

Origem das Espécies

Os Dedos

Papagaio Morto

Portugal Contemporâneo

Portugal dos Pequeninos

Quase Famosos

Relações Internacionais

Retalhos da Vovó Edith

Reforma da Justiça

Rititi

Rua da Judiaria

[Semiramis]

Serendipity

Snob Blog

Some Like It Hot

Super Flumina

Tau-tau

Teorema de Pitágoras

[The world as we know it]

Tradução Simultânea

Tristes Tópicos

Último Reduto

Ví­cio de Forma

Vista Alegre

[Vitriolica Webb´s Ite]

Voz do Deserto

[What do you represent]

Xanel 5/Miss Pearls

 

Archives

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Current Posts

 

Créditos

 

Get Macromedia Flash Player